Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Shi

Shi

Ter | 03.10.17

A Catalunha e o Referendo

Shi

Sem querer alongar muito, até porque o objetivo deste post é em poucos pontos explicar a situação na Catalunha, vou deixar-vos a base para entender tudo isto. 

 

  

 

A Catalunha 

É uma das comunidades autónomas espanholas e tem um governo e um parlamento regional mas o poder político mais forte compete ao governo central espanhol, em Madrid. O PIB anual da região é superior ao de Portugal e a capital é Barcelona que, como sabem, é um dos destinos turísticos mais procurados. 

 

O que pretendem? 

A Catalunha procura então a autonomia da região que só pode ser dada após todo o povo espanhol votar.

Este movimento de autodeterminação começou em 2010 após a rejeição, por parte do Tribunal Constitucional Espanhol, da proposta de um novo estatuto regional para a Catalunha. Essa tal proposta previa um aumento da autonomia da região e foi votada pelos catalães num referendo em 2006. 

Esta rejeição levou o povo da Catalunha a agir e provocou o início de um movimento crescente contra o Governo central. 

 

  

Em Madrid…

Já por sua vez, o governo espanhol, em Madrid, alega que a consulta viola a Constituição de 1978 que apenas permite a separação de uma região se a decisão for tomada pela totalidade dos espanhóis. No entanto, o governo central defende a necessidade de recorrer a uma revisão constitucional para permitir a realização de um referendo legal

Este referendo que a Catalunha procurou fazer é semelhante aos referendos feitos na Escócia, Reino Unido e no Quebeque, Canadá.

 

Domingo, dia de referendo

Acontece que o referendo foi realizado pelo governo regional da Catalunha e tal como se previa mais de metade da população não votou, no entanto 90% dos votos foram a favor. Ou seja, um sim para a independência da Catalunha

Mariano Rajoy, ministro espanhol, condenou a realização do referendo e lembra que é uma consulta ilegal

Já o presidente do governo regional da Catalunha, Carlos Puigdemont insiste que é necessário uma mediação social e considera que a União Europeia deve ajudar neste processo

O último domingo não só foi marcado pelo Sim nas urnas mas também pela violência. Graves confrontos com as autoridades policiais provocaram cerca de 900 feridos

 

 

O que acontece agora?

O presidente do governo regional diz que esta situação não é apenas um assunto interno sendo necessário que a União Europeia olhe para além das violações dos direitos e assuma que é um problema europeu.

Carlos Puigdemont insite ainda na obrigação do parlamento catalão em aplicar o resultado de domingo e tomar decisões políticas. Isto porque, a lei que rege o referendo prevê uma declaração unilateral de independência pelo legislativo regional caso haja maioria de votos. O que aconteceu aqui foi exatamente isso, apesar de menos de metade da população ter votado, 90% disse que sim à independência.

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.